Cifra Club

Aprenda

Poesia de Sexta-feira

ADL MC's

Ainda não temos a cifra desta música.

Sexta-feira é foda pra dormir de madrugada
No bar cerveja quente, na cama mulher gelada
No bolso eu confiro a carga, da janela eu olho o clima
Trilha sonora do momento, no telhado a chuva fina
Vejo o revólver do lado da Bíblia, lembro o que o pastor revelou
Falou coisas da minha vida mas não entendi qual era do caô
Que eu tava na porta do bar, chegou um neguin, puxou e atirou
Depois muntou na garupa da moto, pegou na contramão e vazou
Eu homem de pouca fé, na hora fiquei meio cabreiro
Mas se hoje eu tô de pé é porque minha mãe tá de joelho

Eu fico mais perigoso conforme sinto mais medo
E se for pra chorar, vai chorar a deles primeiro
Pega logo um whisky amargo, mistura com o beijo doce
A morte vem só de calcinha, dança a valsa da meia noite
Com a voz macia e sedutora, falando pra eu me jogar
E outra voz no ouvido sussurra, dizendo que eu tenho filha pra criar
Com o sangue no raciocínio, ela caminha pela favela
Esperando a próxima vítima cair no crime de paraquedas
Quem bate na porta á uma hora dessa?
Tô ouvindo o cachorro latindo
Se for atirar tem que ser pra matar e lá no inferno eu me vingo

Ei, eu ouço a morte me chamar
Com o sorriso no rosto e o álcool na mente
Me seguindo aonde eu vou
E, quando ela vem me acordar
Tô com a arma na mão a estopa e o isqueiro
Vai dar caô

Eu sinto meu maxilar doendo, minha boca seca
Meus olhos arregalados e meu nariz escorrendo
Mas que se foda, eu limpo com a manga da blusa
São duas delas deitadas, prato quente, quem recusa?
Tá com saudade de mim?
Puta que o pariu, que pesadelo
Muito sangue numa piscina de gelo, caixão
A voz da minha mãe me dando a bênção
Deus te leve, Deus te traga
O gosto de sangue e eu baleado no chão
A maconha e o Whisky que me acalma
Me faz sentir prazer de ter largado a cocaína e não a arma

E mesmo assim falar do brilho das estrelas
Que iluminam as piranhas que se vestem de princesas
É bem possível que ao sair de casa
Eu seja surpreendido pelo verme na minha escada
E ver minha mãe chorar porque eu dei mole e errei
E só lembrar depois das vezes que ela disse eu te avisei
Eu sei que é foda mas a noite é perigosa
Tô quase de bandeja, nessa hora eu sou tudo que eles queria
E o que eu tenho por mim é meu revólver até a boca
Cuspindo bala dundum em quem mexer com a minha família

Ei, eu ouço a morte me chamar
Com o sorriso no rosto e o álcool na mente
Me seguindo aonde eu vou
E, quando ela vem me acordar
Tô com a arma na mão a estopa e o isqueiro
Vai dar caô

Meus heróis morreram alvejados, não de overdose
Prancho o da 99, aumenta a psicose
Brinco de roleta russa rindo
Tô sentindo os inimigo vindo, eu até vejo um a um caindo
Cheiro de morte, cachaça, desgraça
Não era pra eu ter acertado aquele merda com geral na praça
Só que o sangue veio na goela quando eu vi o pela
Matou o amigo e ainda ficou rindo pela favela

Abro o vasculhante pela metade da tarde
Peça na fresta, é pura atividade cumpadi
O que me resta é mostrar minha habilidade
Tiro na testa do primeiro que brotar na grade
Sou bom de dedo mas pancadão é foda
Qual quer morte nas costas, é cadeira de rodas
Tiro trocado não dói, é o que se fala pelos beco
Estalo seco, a história vai chegando no final
Num barraco qualquer, numa favela qualquer
Hoje é dia de cobrança então seja o que Deus quiser
Se me acertarem vai ser pela frente, nunca pelas costas
Confronto, hora da aposta do jeito que o diabo gosta

Ei, eu ouço a morte me chamar
Com o sorriso no rosto e o álcool na mente
Me seguindo aonde eu vou
E, quando ela vem me acordar
Tô com a arma na mão a estopa e o isqueiro
Vai dar caô

Composição de DK/Funkero/Lord
Colaboração e revisão:
  • Anna Batista
  • Nahtaly

0 comentários

Ver todos os comentários
00:00 / 00:00
Outros vídeos desta música
Repetir Qualidade Automático
Outros vídeos desta música
00:00 / 00:00
Automático

Cifra Club Pro

Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
Cifra Club Pro
Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
OK