Cifra Club

Aprenda

D de Destino

Almir Sater

Letra

A cigana sorriu
Com seus dentes de ouro
Ao ler minha sorte

Linhas na palma da mão
Para sempre serão
Meu passaporte

Minha mãe me falou
Sobre a cruz de Jesus
Das chagas, dos cortes

E meu pai me entregou
Seu facão guarani
E apontou para o norte
E eu segui

Quero viver
Muito além das fronteiras
Dos que só sabem ser
Pedras de atiradeira

Eu devia saber
Que de certa maneira
Não seremos jamais
Mais que grãos de poeira
No céu

Era um D de destino
Era um E de esperança
Ou de encruzilhada

Era um N de nunca
Ou quem sabe de nuvens
E um dia ela passa

Tantas vezes me vi
Tendo que decidir
Entre o nada e o nada

Mas quem leva a certeza
No meio do peito
Não teme a empreitada
Que virá, a seguir

Quero viver
Muito além das fronteiras
Dos que só sabem ser
Pedras de atiradeira

Eu devia saber
Que de certa maneira
Não seremos jamais
Mais que grãos de poeira
No céu

Era um rei e uma dama
Um valete de ouro
Carta marcada

Era só nosso amor
Era tudo de bom
Era um abracadabra

Vem um raio de sol
Pela telha quebrada
Lá na calha d'água

E um cheiro de mato
E de terra molhada
Na beira da estrada

Vem, longe vem
Vem, longe vem

Era um D de destino
Era um E de esperança
Ou de encruzilhada
Era um N de nunca
Ou quem sabe de nuvens
E um dia ela passa

Era um D de destino
Era um E de esperança
Ou de encruzilhada

Era um D de destino
Era um E de esperança
Ou de encruzilhada

Vem, longe vem
Vem, longe vem
Vem, longe vem

Composição de Almir Sater/Renato Teixeira
Colaboração e revisão:
  • Cleber Cunha

0 comentários

Ver todos os comentários
00:00 / 00:00
Outros vídeos desta música
Repetir Qualidade Automático
Outros vídeos desta música
00:00 / 00:00
Automático

Cifra Club Pro

Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
Cifra Club Pro
Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
OK