Notificações Amigos pendentes

      História do contrabaixo, propriedades do som e convenções

      curso online de contra-baixo
      Rodrigo Brizzi

      É com imenso prazer que inicio meus trabalhos aqui no Curso de Contrabaixo do Cifra Club. Pretendo através do mesmo passar a vocês alguns conhecimentos desde níveis básicos até avançado, mas sempre contando com uma certa progressividade. Abordarei técnicas, fundamentos de harmonia (voltada ao instrumento), histórias e o que mais for solicitado através dos e-mails recebidos.

      Pretendo manter as aulas com a frequência média de 20 dias e a cada 5, será elaborada uma "especial" com o material mais solicitado por vocês (desde que tenha um certo contexto com as matérias anteriores).

      Nesta primeira aula, iniciarei com uma breve história contando como surgiu o nosso tão querido instrumento, em seguida abordarei algumas propriedades do som e por fim darei explicações sobre convenções que ajudarão num melhor entendimento de nossas futuras aulas.

      Estou à disposição, basta que me enviem e-mails com suas dúvidas, sugestões e elogios.

      BREVE HISTÓRIA DO CONTRABAIXO ELÉTRICO (Texto de Raul Branco)

      Fender Bass
      Até os anos cinqüenta, sempre que um baixista arrumava um trabalho, era sempre o mesmo drama para carregar um gigante de madeira, desajeitado e pesado, até o local do show. Se fosse em outra cidade, o risco que todos os músicos correm até hoje: o descaso dos funcionários do trem, ônibus, navio ou avião com o transporte da bagagem. Sobrevivendo à viagem, havia ainda o problema do volume um tanto discreto do instrumento não microfonado, bem como execução e entonação do contrabaixo, com sua longa escala sem trastes e cordas.

      Foi então que um homem mudou para sempre o mundo da música dando ao contrabaixo um status até então desconhecido. Leo Fender, um técnico em eletrônica de 42 anos do sul da Califórnia, lançou, no fim de 1951 o mais revolucionário instrumento musical do século XX. Inspirado na guitarra elétrica Telecaster, a primeira de corpo sólido com características contiporâneas, que ele colocara no mercado apenas um ano antes, Fender criou a guitarra baixo elétrica, ou simplesmente baixo elétrico.

       

      Batizado Precision (pelos trastes em sua escala de 34 polegadas que permitiam precisão nas notas), o instrumento rapidamente tornou-se conhecido entre os músicos, passando a ser chamado por eles de Fender Bass por algum tipo. O tamanho da escala, considerado ideal até hoje, foi escolhido após muitas pesquisas e testes de erro e acerto por Leo e seu companheiro, George Fullerton. As escalas de 30 polegadas não permitiam que a corda vibrasse o esperado para produzir um bom som e a de 36 polegadas dificultava o músico, pelo tamanho das casas.

      Seu desenho era arrojado e totalmente diverso do contrabaixo tradicional, assim como das tentativas fracassadas feitas anteriormente por Ampeg, Gibson, Audiovox e Regal. Seu corpo era feito em ash, com dois recortes, para permitir o acesso às notas mais agudas. O braço, em maple, era fixado ao corpo por quatro parafusos. As tarraxas Kluson se alinhavam em um só lado da mão e o som era transmitido a um captador em Alnico (liga de alumínio, níquel e cobalto), com controles de volume e tonalidade.

      O Fender Bass era ligado a um amplificador desenhado especialmente por Fender para reproduzir as freqüencias mais baixas dos instrumentos, o Bassman Amp, lançado na mesma época. O baixo elétrico nasceu pronto, si que fosse necessária nenhuma evolução, ao contrário das constantes mudanças ocorridas com a guitarra, o órgão e até mesmo a bateria. Se você tiver curiosidade de comparar o Fender Precision 51 com um modelo atual, verá que as modificações feitas foram meramente cosméticas ou ocasionadas pelo natural desenvolvimento tecnológico, si alterar a concepção inicial. Não houve, na verdade, um protótipo, mas um modelo perfeito e definitivo.

      Convidado por Leo Fender a visitar sua fábrica e experimentar o Precision Bass, o baixista William "Monk" Montgomery (irmão do guitarrista virtuose Wes Montgomery) foi um dos primeiros a divulgar o novo instrumento pelos EUA e Europa.

      PROPRIEDADES DO SOM

      Música

      É a forma com que o compositor e/ou executante expõe seus sentimentos, através de combinações de sons que conservam entre si uma certa relação de lógica e ordenação.

      Som

      É o efeito produzido no órgão auditivo através do choque entre dois corpos. Um movimento completo de vai-e-vem de um corpo elástico se chama vibração. As vibrações são transmitidas ao ar na forma de ondas sonoras e essas chegam até nossos ouvidos produzindo então a sensação do som.

      O som possui 4 propriedades:

      - Duração: é o tipo de prolongação do som; o tipo que o som se propaga no ar através das ondas sonoras.
      - Intensidade: é a propriedade do som de ser forte ou fraco, dependendo da força ipregada na sua repercussão.
      -  Altura: propriedade do som de ser grave, médio ou agudo.
      - Timbre: é a característica do som de cada instrumento. É o timbre que nos permite reconhecer a origem do som, de que instrumento esse som partiu.
      (Há também os timbres entre dois instrumentos do mesmo tipo; por exemplo: dois baixos possuem timbres diferentes, mesmo que a diferença seja sutil).

      Na escrita musical estas propriedades do som são representadas das seguintes maneiras (estudadas futuramente):

      Duração – pela figura de nota e andamento;

      Intensidade – pelos sinais de dinâmica;

      Altura – pelo posicionamento da nota no pentagrama e pela clave;

      Timbre – pela indicação do instrumento ou voz que deve executar a música.

      Depois de termos analisado as quatro propriedades do som, veremos agora os 3 elementos fundamentais da música, que são:

      Melodia: combinação de sons sucessivos com alturas e valores diferentes, dando um certo sentido lógico musical.

      Harmonia: combinação de sons simultâneos e as relações que eles estabelecem entre si. Também pode ser definida como a ciência que estuda os acordes (sons simultâneos) e a maneira de concatená-los.

      Ritmo: a maneira como os sons e silêncios são organizados, produzindo a pulsação da música.

      CONVENÇÕES

      Clave de Fá: Clave utilizada na leitura para contrabaixo e instrumentos graves.

      Clave de Fá


      Clave de Sol: Clave utilizada na leitura para instrumentos mais agudos.

      Clave de Sol


      Clave de Dó: Clave utilizada para sons médios.

       

      Calve de Dó


      Pentagrama: Composto por 5 linhas e 4 espaços nomeados a partir da clave:

      Pentagrama


      Espaços e Linhas Suplementares Superiores e Inferiores: Dá seqüência as notas fora do pentagrama.

      Espaços e Linhas Suplementares Superiores e Inferiores



      Compasso e barra de compasso:

      Compasso e Barra de Compasso


      Tablatura: as linhas representam as cordas do instrumento. Os números representam a casa que deve ser tocada.

      Tablatura


      Armação de Clave: indica a tonalidade da música.

      Armação de Clave


      Fórmula de Compasso:

       

      O número de cima indica quantos tipos duram o compasso.

      Os números de baixo indicam qual a figura utilizada para contar os tipos.

      Fórmula do Compasso


      Barra de Repetição: indica que se deve repetir o(s) compasso(s) entre as barras.

      Barra de Repetição


      Notas no pentagrama: as notas nas linhas do pentagrama são G (sol), B (si), D (ré), F (fá) e A (lá) e as notas nos espaços são A (lá), C (do), E (mi) e G (sol).

      Notas do Pentagrama



      Notas do Pentagrama


      Espero que tenham gostado!

      Abraço a todos e até a proxima aula!

      Rodrigo Brizzi
      rodrigobrizzi@gmail.com

      Discuta este artigo e outros no Fórum Cifra Club de Contra-Baixo
      Rodrigo Brizzi

      Sobre o autor

      Rodrigo Brizzi

      Rodrigo Brizzi é baixista formado pelo IB&T, professor e atua com as bandas Fool's Box, Kalango Kamikaze e Walk Main. Atualmente é o responsável pelo curso de baixo do site Cifra Club, colaborador da revista Cover Baixo, professor nos sites Baixista.com.br e tOquemaisbaixo. Seu e-mail é rodrigobrizzi@gmail.com e seus sites são www.myspace.com/rodrigobrizzi e rodrigobrizzi.wordpress.com

      rodrigobrizzi@gmail.com

      Quer aprender violão ou guitarra?

      Veja estas vídeo-aulas para iniciantes
      publicidade
      fechar
      ok