Notificações Amigos pendentes

      Formação da Escala Maior

      curso online de contra-baixo
      Rodrigo Brizzi

      Tudo bom pessoal?

      Depois de algum tempo, eis que as aulas de contrabaixo voltam a sua periodicidade normal aqui no Cifra Club.

      Como nas primeiras aulas o foco principal foi “soltar” as mãos esquerda e direita com exercícios técnicos, nesta decidi iniciar o estudo teórico voltado ao nosso instrumento. E pra começar, ensinarei como formamos uma escala maior.

      Vamos primeiro conhecer as 7 notas musicais e seus respectivos acidentes.

      As notas naturais são:
      Dó – Ré – Mi – Fá - Sol – Lá – Si

      e os acidentes (# = sustenido, b = bemól):
      Dó#/Réb – Ré#/Mib – Fá#/Solb – Sol#/Láb – Lá#/Sib
      (Lê-se Dó sustenido/Ré bemól, Ré sustenido/Mi bemól e assim sucessivamente...)

      Sabendo isto podemos dizer que existem 12 notas no “abecedário musical”. A saber:
      Dó – Dó#/Réb – Ré – Ré#/Mib – Mi – Fá – Fá#/Solb – Sol – Sol#/Láb – Lá – Lá#/Sib – Si

      Caso você esteja se perguntando agora porque contei as notas sustenidas como as mesmas que as bemóis, calma que explico. No nosso instrumento cada casa equivale a ½ (meio) tom. Logo temos (por exemplo) entre as notas Dó (3ª casa, corda Lá) e  Ré (5ª casa, corda Lá) duas casas de distância sendo que a do meio (4ª casa, corda Lá) pode ser considerada tanto Dó sustenido como Ré bemól (sim, a mesma nota!).

      E agora esta se perguntando quando chamar a nota de sustenido ou bemól certo? Fácil...

      Se caso você estiver tocando uma escala ou frase que vá na ordem crescente, ou seja, do grave para o agudo, você considera o seguinte:
      Dó – Dó# - Ré

      No caso decrescente (do agudo para o grave):
      Ré – Réb – Dó

      (Isto se chama enarmonia, nomenclaturas diferentes para a mesma nota)

      Se vocês foram bons observadores, e acredito que foram, provavelmente notaram que não existem nem Mi#/Fáb (Mi sustenido/Fá bemól), quanto Si#/Dób (Si sustenido/Dó bemól). Isto porque entre as notas Mi/Fá e Si/Dó existe apenas ½ tom de distância, não havendo assim “espaço” para os acidentes. Com o desenho do braço do instrumento (até a sétima casa) abaixo o entendimento será mais fácil.

      Braço contra-baixo

      Agora que já conhecemos todas as notas e suas enarmonias, vamos montar uma escala maior.

      A escala de Dó maior e a única que não possui nenhum acidente e é a partir dela que teremos a estrutura para montar todas as outras. Seguindo o exemplo:

      Dó Maior

      Agora iremos seguir o mesmo padrão (1, 1, ½, 1, 1, 1, ½), mas tendo como tônica (nota principal, que dá nome a escala) a nota Ré, gerando Ré maior:

      Ré Maior

      Observações: Note que para conseguirmos que do Mi para o Fá e do Si para o Dó obtivessemos 1 tom de distância, tivemos que “acidentar” as notas seguintes, tornando assim tanto o Fá quanto o Dó sustenidos e mantemos assim o padrão de tons e semitons.
      E assim formamos a escala de Ré maior, que possui dois acidentes (Fá# e Dó#).

      Logo podemos dizer que a formação de uma escala maior possui cinco tons e dois semitons (1/2 tom). Essa formação nunca irá se modificar na estrutura de uma ESCALA MAIOR.

      Mais um exemplo:

      Fá Maior

      Aqui temos que observar que se a nota Si fosse natural, teriamos uma distância de 1 tom com relação ao Lá, por isso äcidentamos o mesmo com um bemól e reduzimos sua distância em ½ tom, encaixando toda a escala no padrão 1, 1, ½, 1, 1, 1, ½.

      Lição de casa:
      Formar as escalas de Sol maior, Mi maior,  Láb maior e Réb maior.

      Aguardo por e-mail todas as escalas para correção, que devem ser enviadas da seguinte forma (exemplo):

      Dó Maior
      Dó – Ré – Mi – Fá – Sol – Lá – Si – Dó

      Ré maior
      Ré – Mi – Fá# - Sol – Lá – Si – Dó# - Ré

      Fá Maior
      Fá – Sol – Lá – Sib – Dó – Ré – Mi – Fá

      Fico no aguardo...

      Falando em shapes (desenhos)

      Por sua estrutura sempre obedecer um padrão, quando formos aplicar a escala no instrumento, notaremos que a mesma também seguirá sempre o mesmo desenho:

      Dó Maior

      Shape 1  - Dó Maior


      Sol Maior 

      Sol Maior


      Note que as escalas de Dó maior e Sol maior possuem o mesmo desenho, neste caso somente alterando as cordas do instrumento que são usadas. O mesmo vale para todas as escalas maiores. Faça este “shape” iniciando da tônica da escala e estará automaticamente tocando uma escala maior. Para uma melhor visualização (a letra T simboliza a tônica):

      Tônica

      Aplicação
      Seguem exercícios para melhor firmar o entendimento da aula:

      Escala Maior
       Escala 1


      Padrão em tercinas (3 em 3 notas)

      Escala 2

      Padrão em semicolcheias (4 em 4 notas)

      Escala 3

      Todos estes exercícios propostos estão na tonalidade de Dó maior, mas para testar seus conhecimentos sobre a aula de hoje, transponha-os para todas as outras tonalidades.

      Como o tema desta aula pode gerar diversas dúvidas, na próxima responderei eventuais questões que receber por e-mail quanto a esta explicação sobre escalas maiores. Aguardo vocês...

      Um grande abraço e bons estudos!

      Rodrigo Brizzi
      rodrigobrizzi@gmail.com

      Discuta este artigo e outros no Fórum Cifra Club de Contra-Baixo
      Rodrigo Brizzi

      Sobre o autor

      Rodrigo Brizzi

      Rodrigo Brizzi é baixista formado pelo IB&T, professor e atua com as bandas Fool's Box, Kalango Kamikaze e Walk Main. Atualmente é o responsável pelo curso de baixo do site Cifra Club, colaborador da revista Cover Baixo, professor nos sites Baixista.com.br e tOquemaisbaixo. Seu e-mail é rodrigobrizzi@gmail.com e seus sites são www.myspace.com/rodrigobrizzi e rodrigobrizzi.wordpress.com

      rodrigobrizzi@gmail.com

      Quer aprender violão ou guitarra?

      Veja estas vídeo-aulas para iniciantes
      publicidade
      fechar
      ok