Meu Canto

Pedro Ortaça

Composição de: Jayme Caetano Braun / Pedro Ortaça
tom: G
(intro) G D7

                   D7
No meu canto não escondo
                 G
Vou dizendo de vereda,
                 D7
Sou brasa de labareda
                 G
E ferrão de marimbondo,
                       D7
Desde que o mundo é redondo
                     G
Não tem esquina nem canto!
                 D7
Amigos eu lês garanto
                      G
Quando este mundo acabar,
                   D7
Com certeza vai ficar
                    G
A verdade do meu canto!

                      D7
Meu canto guarda o estilo
                     G
Das fontes de geografia
                    D7
Quando o gaúcho nascia
                   G
Abarbarado e tranquilo;
                         D7
Meu canto é o canto do grilo,
                     G
Dos tempos de antigamente
                   D7
Que pode ser estridente,
                    G
Mas jamais ultrapassado,
                       D7
Por que o canto do passado
                    G
É o bebedor do presente!

                      D7
Meu canto lembra o relincho
                 G
E sanga de pedregulho;
                       D7
Meu canto lembra o mergulho
                G
Da manada de capincho!
                      D7
Meu canto evoca o bochincho
                        G
Quando o candeeiro se apaga,
                    D7
Ali onde ninguém indaga,
                        G
Nem quem foi e nem quem é,
                   D7
Se é crioulo de Bagé,
                        G
Santana ou São Luiz Gonzaga!

                     D7
Canto que evoca o rodeio
                     G
E a ronda de uma tropeada
                     D7
E a velha gaita acordada
                    G
Resmungando num floreio;
                         D7
Canto que lembra o rio cheio
                     G
E a clarinada de um galo;
                     D7
Canto que adoça o embalo
                     G
De uma xirua que implora
                       D7
Que a gente não vá simbora
                   G
E desencilhe o cavalo...

                    D7
Canto de lida e serviço
                          G
Cheirando a chão de mangueira,
                    D7
Sovado uma vida inteira
                   G
Decerto mesmo por isso,
                     D7
Conserva aquele feitiço
                    G
Que nós todo conhecemos,
                   D7
Heranças que recebemos
                       G
E não se compra ou se vende,
                      D7
Por isso o povo me entende,
                  G
E todos nos entendemos!

                        D7
Há os que condenam meu canto
                     G
De cousas que já passaram,
                    D7
Dizem q muitos cantaram
                   G
E chega de cantar tanto,
                     D7
Contra isso eu me levanto
                  G
Sem procurar desafetos,
                      D7
Não se apagam com decretos
                   G
Heranças de todos nós
                    D7
Não vou matar meus avós
                         G
Pra ficar de bom com os netos,
                    D7
Não vou matar meus avós
                         G
Pra ficar de bom com os netos!
Página 1 / 1

Letras e título
Acordes e artista

resetar configurações
OK