Enviar cifraEntrar

Daniel Cowman

Regina Spektor

Daniel Cowman

Ainda não temos a cifra desta música. Contribua!

On the day that daniel Cowman stopped existing
The world should've ended right then and there
At precisely four-fifteen when he stopped existing
The world should've ended
How could it go on?
How could it go on?
How could it go on?

Oh and I don't exist
I don't exist…

And now that we got that straight, doesn't mean that i can fly
Doesn't mean that i can go do whatever i want
Now that we got that clear, and you know that i'm not here
Doesn't mean that i can go do whatever i please

The premature ejaculation of his death sentence
Hit daniel in the face like a big round spitball
And everything got hazy in the courtroom
And then he stood up and then he sat back down
Another two times in a row
And everything got real slow like a gunshot in the movies
And he remembered heroin boy walking through the door
Bouncing off the walls and the floor
Taking off his belt, taking off his pants
Filling up the bathtub, getting ready to go in for a swim
Singing, i don't exist...

And now that we got that straight, doesn't mean that i can fly
Doesn't mean that i can go do whatever i want
Now that we got that clear, and you know that i'm not here
Doesn't mean that i can go do whatever i please
And he start remembering and remembering and remembering
And remembering…

The heroin boy'd walk through the door
And he was screaming and everybody was, like,
What're you screaming as if it's the end of the world?
And he was, like, well it is
And i was sitting in the corner with my pants down
And i was sure someone next door was blowing up balloons
And they was red and orange

And there was this one lady at the bar and she was trying to buy gin
And this other lady at the bar and she was trying to sell gin
And it worked out good for the boths of them
And heroin boy started taking off his belt
Started taking off his pants, started taking off his shoes
Filling up the bathtub, getting ready to go in for a swim
I says, no--you're gonna drown
And he says, no--i can't drown
Simply because
Shhhh...

A man destined to hang
Can never drown,
A man destined to hang
Can never drown,
A man destined to hang
Can never ever drown.

A man destined to drown
Can never burn,
A man destined to drown
Can never burn,
A man destined to drown
Can never ever burn.

A man destined to fry
Can never ever ever
A man destined to fry
Can never ever ever
A man destined to fry
Can never ever ever die…
In any other way but frying,
Lucky that I'm dying
By hanging and not drowning.

So now that we got that straight
Can't I just be left alone?
I want to take a fuckin' bath.

No dia em que Daniel Cowman parou de existir
O mundo deveria ter acabado na mesma hora
Precisamente às quatro e quinze quando ele parou de existir
O mundo deveria ter acabado
Como pôde continuar?
Como pôde continuar?
Como pôde continuar?

Oh e eu não existo
Eu não existo...

E agora que esclarecemos isso, não significa que eu posso voar
Não significa que eu posso ir aonde eu quiser
Agora que acertamos isso e você que não estou mais aqui
Não significa que eu posso fazer o que eu bem entender

A ejaculação precoce de sua sentença de morte
Atingiu Daniel no rosto como uma grande bola de papel cuspida
E tudo ficou consuso no tribunal
E aí ele ficou em pé e depois sentou de volta
Outras duas vezes em seguida
E tudo ficou bem lento como um tiro de bala nos filmes
E ele se lembrou do garoto-heroína entrando pela porta
Quicando das paredes para o chão
Tirando seu cinto, tirando suas calças
Enchendo a banheira, preparando-se para entrar e nadar
Cantando "eu não existo..."

E agora que esclarecemos isso, não significa que eu posso voar
Não significa que eu posso ir aonde eu quiser
Agora que acertamos isso e você que não estou mais aqui
Não significa que eu posso fazer o que eu bem entender
E ele começa a lembrar e lembrar e lembrar
E lembrar...

O garoto-heroína iria entrar pela porta
E ele estava gritando e todo mundo estava, tipo:
"Por que você está gritando como se fosse o fim do mundo?"
E ele disse tipo "mas é..."
E eu estava sentando no canto com minhas calças abaixadas
E eu tinha certeza de que alguém na sala ao lado estava estourando bexigas
E elas eram vermelhas e laranjas

E havia uma mulher no bar e ela estava tentando comprar gim
E essa outra mulher no bar e ela estava tentando vender gim
E deu certo para amabas as duas
E o garoto-heroína começou a tirar seu cinto
Começou a tirar suas calças, começou a tirar seus sapatos
Enchendo a banheira, preparando-se para entrar e nadar
Eu digo "não... você vai se afogar"
E ele diz "não... eu não posso me afogar
Simplesmente porque..."
Shhhh

Um homem destinado à forca
Não pode nunca se afogar,
Um homem destinado à forca
Não pode nunca se afogar,
Um homem destinado à forca
Não pode nunca se afogar.

Um homem destinado a se afogar
Não pode nunca se queimar,
Um homem destinado a se afogar
Não pode nunca se queimar,
Um homem destinado a se afogar
Não pode nunca se queimar.

Um homem destinado a fritar
Não pode nunca, nunca,
Um homem destinado a fritar
Não pode nunca, nunca,
Um homem destinado a fritar
Não pode nunca, nunca morrer
De qualquer outro jeito senão fritando
Que sorte eu estou morrendo
Na forca e não afogado

Então agora que já esclarecemos isso
Não posso ser deixado em paz?
Eu quero tomar uma porcaria de banho.

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
    Composição: Regina SpektorColaboração e revisão:
    • Adelmo Martins
    • Beatriz Oliveira

    0 comentários

      mostrar mais comentários
      00:00 / 00:00
      outros vídeos desta música
      repetirqualidadeautomática
      • automática
      Outro vídeos desta música
        00:00 / 00:00
        automática
        • automática
        fecharplay/pause subir/descer velocidade
        fechar
        OK