Cifra Club

Aprenda

País da Fome (Homens Animais) (part. DJ Cia)

Sabotage

Ainda não temos a cifra desta música.

Não só o Louquinho e o Pesquila jaz
Senhor, a dor dos seus herdou, ao menos peço a paz
O pobre réu agora é fel, perante os animais
E que a bela vira fera, e mais
Jão, até me lembro do passado
Vários malucos lá em casa, o clima andava embaçado
Só ladrão de mil grau, o clima era do mau
Esquenta o prato, estica, serve o crime na moral e tal
Mó motivo pra chamar do 12
É, se os homens invadissem, iam catar um monte
É, ladrão, teve uns malucos que assinou e foi de bonde
Uns do Canão, uns dos Bronks, uns da Conde
Louquinho, meu melhor amigo até hoje
Aderiu ao 157, não quis pra ele o 12
É, não precisou ter currículo de ladrão
Tipo, pra ter respeito ou admiração
Igual muitos por aqui, o Louquinho pensou alto
Vendeu umas frutas, tomou conta de carro
Aos 12, rá-tá-tá; aos 15, quis parar
Aos 16, dizia que a branca pro crime, só atrasa
Deu duro e forte
Pro arrebento nunca foi com loc
Nobres, falava a seu respeito, pela ordem
Nas noites frias na fogueira, assalto era meu tema
Pra quem nasceu na zona sul, o sofrimento é evidência
Aqui não tem paz, aqui não tem sinceridade
Não tem nenhum filha da puta sem maldade
Necessidade; na Espraiada, o crime em sua porta
Também polícia e revólver, droga, caminho da roça
É óbvio que aqui as estatísticas me diz:
Na miguelagem ou então já sabe, só no sapatinho
Jamais irei dar mi-, eu sempre penso assim:
"Quem não pode errar sou eu, que se foda o Zé Povinho"
Na humildade posso até conseguir
Aviso em mente, Oxalá me guia aqui permanentemente
Zé Povinho tem um olho ardente, às vezes complicando a gente
Só pra te foder, liga pro DEIC
Eu vi em mais lençóis, vejo você tão de repente
Tá no Brooklin, Bronks, é, Pedrinha, ou, então, Itapevi
Não gosto desse filme, o roteiro é foda
Nem me liga, ser uma vítima do crime, genocida
Crocodilagem, traição, revolta, droga
Falsas amizades e as biatch em sua volta
Envolvimentos com outras, quiçá
Ação cinematográfica, enquadra a barca, cantou, cromada
Quando eu voltava lá pra casa, comentava:
"O crime, jão? Profissão de cão, emboscada"
Quando voltava, me dizia: "emboscada"
Dizia que o crime é sempre uma arapuca armada
Primeirão que mete a cara
Disposição, vai em parada
Vai em duas, três, cai, responsa que para várias
Quando cai, muitos deles se apavoram, matam
Guerreiro que não é guerreiro vaza, só viaja
Não gosto desse filme, o roteiro nem me liga
Ter uma vítima do crime genocida
Ah, não!
Mãe, me dê a bênção
Eu sei que o medo não é mesmo o lugar perfeito pra guardar as horas
Sul, Sampa, Brasil, aqui sem a senhora
Pra mim, tô vivendo no escuro, não faz muito tempo que o Deda foi embora, e é foda
Quando eu me lembro da senhora, o medo é o Zé Povinho
Mudam da água pro vinho, engordam os zóios, atiram
E dão chapéu em si mesmo, o Pelé
Alguns espancam, enchem a cara, outros que matam mulher
Várias vezes vi na Sul, não faz nem um mês
O Binha chegou lá em casa, ligando: o Bagana tomou seis
Isso eu citei, Maurinho, pagou de Exu que eu vi, jão
Se eu descolar quem o matou não tem perdão, ah, não
Senhor, me dê mais fé
Eu vou vivendo pelas ruas, no meio de um exército
Mais vale a fé aqui no Brooklin-Sul
Vou vivendo pelos cantos, desviando dos escombros
De onde eu vim, ladrão, milhões têm filho
Nasce, dez de uma vez, nove fora, vai
Justiça, atitude, meu pai
Hoje a chave, segredo, eu sei, posso viver bem mais
Só não queria que o Naldinho fosse nessas
Conheceu cola, brisou lá no pó, parou na pedra
Foi tipo essas, não sei se fecha, atitude apressa
Foi encontrado em São Luís alvejado, mechas
Eu percebi, depois que atira, toma vários jaz
A morte do Eduardo fez do Louco um mal rapaz

O pobre réu
Agora é fel
Homens animais

Boatos são boatos, quem vive é guerreiro
Favela do Canão, o herdeiro é o primeiro
Boatos são boatos, quem vive é guerreiro
Favela do Canão, o herdeiro é o primeiro
Boatos são boatos, quem vive é guerreiro
Favela do Canão, o herdeiro é o primeiro
Boatos são boatos, quem vive é guerreiro
Favela do Canão, só vivo o bom herdeiro

Ah, não
Senhor, me dê mais fé
Eu vou vivendo pelas ruas, no meio de um exército
Mais vale a paz na Sul
Eu vou vivendo pelos cantos, desviando dos escombros
De onde eu vim, eu sei, milhões têm filho
Nasce, dez de uma vez, nove fora, vai
Justiça, atitude, pai
Sei, é a chave, é o segredo, eu vou viver bem mais
Paz, paz, paz, paz, paz, paz...

O pobre réu
Agora é fel
Homens animais
O pobre réu
Agora é fel
Homens animais! (Homens animais)
O pobre réu
Agora é fel
Homens animais (Homens animais)
O pobre réu
Agora é fel
Homens animais (Homens animais, animais)
O pobre réu
Agora é fel
Homens animais (Homens animais)

Colaboração e revisão:
  • Mariana Camargos
  • Davi Nepomuceno

0 comentários

Ver todos os comentários
00:00 / 00:00
outros vídeos desta música
repetir qualidade Automático
Outros vídeos desta música
00:00 / 00:00
Automático

Cifra Club Pro

Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
Cifra Club Pro
Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
OK