Cifra Club

Black Friday Cifra Club

Rearmonização: aprenda o que é e como fazer

A rearmonização pode ser uma epifania e tanto quando se trata de estudar teoria musical. Por sinal, entende-se que ela proporciona uma das situações mais fascinantes no violão: a possibilidade quase infinita de acordes, sonoridades variadas e cores harmônicas.

Músico faz rearmonização usando um violão com cordas de aço
Chegou a hora de saber o que é a rearmonização, bem como perder o medo de usa-la (Foto/Pexels)

E é especificamente desta última que precisamos dar atenção especial por aqui. Afinal, estamos falando de rearmonizar, ou seja, alterar uma harmonia que já está pronta. 

Detalhe: isso não precisa ser feito em uma música famosa! Pode ser naquele conjunto de acordes que você criou durante uma tarde de quarentena –  eu sei que você tem alguma coisa guardada aí, vai?

Brincadeiras à parte, uma observação primordial: não estamos falando de alterar a música radicalmente. O propósito aqui é manter a essência, mas possibilitar que a toquemos de outras formas a partir de alguns conhecimentos específicos.

Explicando a harmonia

Caso você ainda fique um pouco confuso em relação à diferença entre harmonia, ritmo e melodia, o Cifra Club possui um texto completão só sobre isso:

A harmonia é, basicamente, o conjunto das notas musicais que combinam entre si e são utilizadas dentro de uma música. E dentro da harmonia, os acordes cumprem um papel essencial. Dá para dizer que eles são como “caminhos” que temos para atingir determinada sonoridade.

Em geral, essa combinação é definida pelo tom da música e, consequentemente, pelos graus – acordes daquele tom que está sendo proposto na canção. Uma música que está em tom G, portanto, encontraria a sua combinação “ideal” com notas que fazem parte do campo harmônico de G.

A rearmonização também pode ser usada no teclado
A rearmonização também pode ser desenvolvida no teclado (Foto/Pexels)

Contudo, é possível tocar uma música incrementando os caminhos, sem que ela perca a sua essência. E é aí que entram os detalhes: por um lado, mudar certos aspectos pode ser impactante demais e acabar descaracterizando o som. 

Por outro, as mudanças na harmonia, se feitas com atenção, podem ser ferramentas insanas para tornar seu repertório mais variado. Vamos aprofundar logo abaixo!

Relativa Menor/Maior

Todo acorde maior possui um relativo menor, são acordes irmãos  dentro dos graus do campo harmônico. Isso se manifesta sempre no sexto grau. Observe um exemplo: o campo harmônico de G, em tríades, é composto por:

  • G Am Bm C D Em F#m(b5)
  • /2º/3º/4º/5º//7º

No total, temos 7 graus. G é acorde do 1o grau, e qual é o sexto grau? Em! Agora vamos ao campo harmônico de Em natural:

  • Em F#m7(b5) G Am Bm C D
  • /2º//4º/5º/6º/7º

Percebeu a semelhança? Os dois possuem os mesmos acordes no campo harmônico! Portanto, Em é o sexto de G e G é o terceiro de Em – um acorde sendo relativo ao outro.

Agora se liga nas relativas de cada acorde:

  • G <-> Em
  • A <-> F#m
  • B <-> G#m
  • C <-> Am
  • D <-> Bm
  • E <-> C#m
  • F <-> Dm
  • Gm <-> Bb
  • Cm <-> Eb
  • Fm <-> Ab

Bora rearmonizar utilizando esse conhecimento! Peguemos a primeira estrofe de Cowboy Fora da Lei, do Raul Seixas, que tem quatro acordes no tom de G:

Cifra da música Cowboy Fora da Lei, de Raul Seixas

Trocando cada acorde por sua relativa menor/maior, vai ficar assim:

  • Em – D – Em – G – Bm

Viu que a música continua a mesma, porém com uma harmonia diferente? Essa técnica pode ser utilizada para, por exemplo, mudar o clima da canção. 

E se você ainda não tirou esse clássico do rock nacional, fica tranquilo! A videoaula dessa música está te aguardando:

Invertendo o baixo dos acordes: uma bela forma de rearmonização

O baixo é, para resumir, a nota mais grave de um determinado acorde. Quando tocamos o acorde padrão de C maior, o baixo fica com a nota fundamental da sua escala: o próprio C.

Mas você já deve ter visto algum acorde que utiliza uma barra para ser representado (ex: C/E). Com essas situações, o que rola é a inversão do baixo! Ou seja, ao invés de o som mais grave ser a fundamental, busca-se uma outra nota para ocupar esse papel. 

Músico segura violão e anota notas musicais na partitura
Inverter o baixo dos acordes é uma interessante forma de rearmonização (Foto/Freepik)

As notas mais utilizadas para mudar o baixo costumam ser as terças, quintas e sétimas do acorde correspondente. No caso de C, é assim:

Mi SolSi

  • Mi SolSi
  • /2º//4º//6º/

Consequentemente, os mais recomendados nesse caso seriam o Mi, Sol e Si! 

  • C/E   C/G  C/B

Olha uma sugestão com o mesmo trecho da música do Raul:

  • G/B Bm/F# G/D Em/G D/F#

Sacou a jogada? Tente fazer sobre primeira rearmonização aí no seu instrumento musical!

Adicionando notas

Outra forma bem interessante de rearmonização é incrementando o acorde com mais notas. As mais utilizadas, nesse caso, são as sétimas e as nonas!

Nesse caso, vamos trabalhar um conjunto de acordes em tom de C, que dá pra tocar várias músicas, por exemplo, os versos iniciais da música Let It Be, dos Beatles:

  • C G Am F
  • 1º/5º/6º/4º

Quando aplicamos a sétima, os graus 1 e 4 do campo harmônico maior recebem sétimas maiores. Já os graus 2, 3, 5 e 6 ficam com sétimas menores! Se aplicarmos, o resultado é esse:

  • C7M G7 Am7 F7M

Dá pra fazer ainda mais, adicionando uma nona, por exemplo, que vale para quase todos os graus. Que tal fazer isso no 4º e 5º graus?

  • C7M G7(9) Am7 F7M(9)

Viu só como esse lance de fazer rearmonização é enriquecedor para o conhecimento de teoria musical? Por isso, continue por aqui! Tenho muito mais conteúdo pra você.

Como substituir acordes de mesma função harmônica

Ao longo do texto, falamos bastante de campo harmônico e graus, correto? Um detalhe sobre esse assunto é que dentro de uma mesma harmonia, cada acorde cumpre uma função.

Mulher sentada no sofá segura violão e anota notas musicais
Substituição de acordes também faz parte do processo de rearmonizar (Foto/Freepik)

Essas funções – que chamamos de harmônicas – são divididas em três eixos: tônica, dominante e subdominante, que se distribuem pelos graus da seguinte forma:

  • Tônica: 1º, 3º e 6º graus
  • Dominante: 5º e 7º graus
  • Subdominante: 2º e 4º graus

Topa seguir no tom de D? Vamos pro campo harmônico:

  •  D Em F#m G A Bm C#m(b5)

Agora, veja como ficam as harmônicas:

  • Tônicas: D, F#m e Bm
  • Dominantes: A e C#m(b5)
  • Subdominantes: Em e G

O critério é que você tente substituir os acordes por outros que possuam a mesma função. Faça assim: considere uma música com a seguinte sequência, no mesmo tom de D:

  • Em A D
  • 2º/5º/1º

Agora vamos trocar Em por G (4º grau), da mesma função subdominante!

  • G A D

A diferença é perceptível, mas o acorde inicial continua proporcionando a sensação desejada. Na função subdominante, o clima gerado é de afastamento  – de espera – e, com essa substituição, a função continua sendo preenchida!

Em contrapartida, a função tônica costuma ser mais conclusiva, dando a sensação de desfecho para a canção. Já a dominante é mais tensas e dão uma noção de preparação, conduzindo ao retorno da tônica! Fera, né?

Olha outra opção, substituindo o D por Bm:

  • Em A Bm

Por fim, se liga só no próximo passo desta nossa conversa sobre rearmonização.

Aprendendo mais sobre rearmonização e teoria musical

A partir de agora, essa gama imensa de sensações e possibilidades está de portas abertas para você explorar. Então é com você! Teste, experimente e vá sentindo como a rearmonização pode ser aplicada ao seu repertório.

Cifra Club Academy está pronto para ensinar rearmonização e demais fundamentos da teoria musical
Cifra Club Academy: a plataforma que forma músicos completos; vem com a gente (Imagem/Cifra Club)

E claro, não deixe de se atualizar através da nova plataforma Cifra Club Academy! Um ambiente cheio de conteúdos incríveis que vão te ajudar a manter uma rotina bem direcionada de treinos e estudos! 

Por fim, mas não menos importante, até o dia 30 de abril de 2021, você tem um superdesconto de 40% para fazer a sua assinatura do Cifra Club Academy! Não perca mais tempo, e vem com a gente!

Leia também

Ver mais posts

Cifra Club Pro

Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
Cifra Club Pro
Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
OK