Cifra Club

Aprenda

Non È L'inferno

Emma Marrone

Não É o Inferno

Letra
Já pensou em usar uma coleção de roupas do Cifra Club? Responda as perguntas abaixo e nos ajude nessa missão! →

Ho dato la vita e il sangue per il mio paese
E mi ritrovo a non tirare a fine mese
In mano a dio le sue preghiere

Ho giurato fede mentre diventavo padre
Due guerre senza garanzie di ritornare
Solo medaglie per l'onore

E se qualcuno sente queste semplici parole
Parlo per tutte quelle povere persone
Che ancora credono nel bene

E se tu che hai coscienza guidi e credi nel paese
Dimmi cosa devo fare
Per pagarmi da mangiare
Per pagarmi dove stare
Dimmi che cosa devo fare

No, questo no, non è l'inferno
Ma non comprendo
Com'è possibile pensare
Che sia più facile morire
No, no.. Non lo pretendo
Ma ho ancora il sogno
Che tu mi ascolti e non rimangano parole

Ho pensato a questo invito non per compassione
Ma per guardarla in faccia e farle assaporare
Un po' di vino e un poco di mangiare

Se sapesse che fatica ho fatto per parlare
Con mio figlio che a 30 anni
Teme il sogno di sposarsi
E la natura di diventare padre

E se sapesse quanto sia difficile il pensiero
Che per un giorno di lavoro
C'è chi ha ancora più diritti
Di chi ha creduto nel paese del futuro

No, questo no, non è l'inferno
Ma non comprendo
Com'è possibile pensare
Che sia più facile morire
No, no.. Non lo pretendo
Ma ho ancora il sogno
Che tu mi ascolti e non rimangano parole

Non rimangono parole

Com'è possibile pensare
Che sia più facile morire
Io no, non lo pretendo
Ma ho ancora il sogno
Che tu mi ascolti e non rimangano parole

Non rimangano parole

Non rimangano parole

Eu dei a vida e o sangue para o meu país
E me encontro para não receber no final do mês
Nas mãos de Deus as suas orações

Eu jurei fé quando me tornei pai
Duas guerras sem garantia de retorno,
Apenas medalhas de honra

Se alguém ouve essas simples palavras,
Falo por todas aquelas pobres pessoas
Que ainda acreditam no bem

Se você que tem consciência guiá e acredita no país
Diga-me o que fazer
Para pagar-me de comer;
Para pagar-me onde ficar,
Diga-me o que fazer

Não, este não, não é o inferno,
Mas não entendo
Como é possível pensar
Que é mais fácil morrer
Não, eu não reclamo,
Mas tenho ainda o sonho
Que você me esculte e não fiquem palavras

Pensei que este convite não foi por compaixão
Mas para olhar para no rosto e fazer-lhes apreciar
Um pouco de vinho e um pouco de comida

Se soubesse que fadiga fiz para falar
Com meu filho que tem 30 anos
Teme o sonho de se casar
E a natureza de se tornar pai

Se ele soubesse o quão difícil é pensar
Que por um dia de trabalho
Ha quem tem ainda mais direitos
De quem acreditou no país do futuro

Não, este não, não é o inferno,
Mas não entendo
Como é possível pensar
Que é mais fácil morrer
Não, eu não reclamo,
Mas tenho ainda sonho
Que você me esculte e não fiquem palavras,
não fiquem palavras...
Na na na na na...
Como é possível pensar
Que é mais fácil morrer
Eu não, eu não reclamo
Mas tenho ainda o sonho
Que você me esculte e
não fiquem palavras
não fiquem palavras
não fiquem palavras

Colaboração e revisão:
  • Elizeu Batisti
  • Anna Gomez
  • Vanderson Almeida

0 comentários

Ver todos os comentários
00:00 / 00:00
outros vídeos desta música
repetir qualidade Automático
Outros vídeos desta música
00:00 / 00:00
Automático

Cifra Club Pro

Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
Cifra Club Pro
Aproveite o Cifra Club com benefícios exclusivos e sem anúncios
OK